Qua, 23 de Maio de 2018
Banner
NewsLetter

    confira-videos

      icon-twitter icon-facebook icon-Gmais 

A importância da Detecção Precoce da Deficiência Auditiva

 

Autora: Fga: Daniela Carara Lemos

Data do artigo: 01 de Setembro de 2000 
CRFa RS/T-MT 6921
Email:  Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

A audição é um dos sentidos mais importantes para a vida humana. É a chave para a linguagem oral e uma forma de sentir o mundo. Podemos perceber que sem ela, o indivíduo perde parte do mundo real, passando a ter problemas emocionais e sociais.

Qualquer sujeito que não é exposto à estimulação de linguagem nos primeiros anos de vida apresentará uma defasagem em seu desenvolvimento lingüístico . A prevenção da perda auditiva é uma forma de proteger e impedir que ela sofra as conseqüências da falta de estimulação auditiva sobre a função da linguagem.

Os primeiros anos de vida têm sido considerados como o período crítico para o desenvolvimento das habilidades auditivas e de linguagem. Esse é o período de maior plasticidade neuronal da via auditiva. Nesse período, o sistema nervoso auditivo central pode ser modificado de maneira positiva ou negativa, dependendo da quantidade e qualidade dos estímulos externos captados. Além disso, o período de recepção dos símbolos lingüísticos auditivos é um pré-requisito para a formulação da expressão verbal.

O diagnóstico audiológico realizado durante o primeiro ano de vida possibilita a intervenção médica e/ou fonoaudiológica, ainda nesse período crítico, permitindo um prognóstico mais favorável em relação ao desenvolvimento global da criança.

Segundo RUSSO e SANTOS (1994), a deficiência auditiva pode ser causada por fatores que ocorrem antes, durante ou após o nascimento, isto é, há três períodos durante os quais a deficiência auditiva pode ocorrer, pré-natal, perinatal, pós-natal. Há, também, a classificação das causas da deficiência auditiva neurossensorial nas crianças em genéticas e não genéticas, e, por sua vez, se dividem em congênitas e pós-natais.

Em 1994 o Comitê Americano sobre Perdas Auditivas (Joint Committe on Infant Hearing), elaborou uma lista de fatores de risco para a deficiência auditiva periférica e central para bebês neonatos. Essa lista consta dos seguintes itens:

  1. Antecedentes familiares de perda auditiva neurossensorial hereditária. Consangüinidade materna.

  2. Infecções congênitas (rubéoloa, sífilis citomegalovírus, herpes e toxoplasmose).

  3. Malformações craniofacias incluindo as do pavilhão auricular e do meato acústico externo.

  4. Peso de nascimento inferior a 1.500 gr.

  5. Hiperbilirrubinemia – exsanguineotransfusão.

  6. Medicação ototóxica ( aminoglicosídos, associação com diuréticos, agentes quimioterápicos).

  7. Meningite bacteriana.

  8. Apgar de 0 a 4 / 1º minuto ou 0 a 6/ 5º minuto.

  9. Ventilação mecânica.

  10. Síndromes.

  11. Alcoolismo materno ou uso de drogas pscicotrópicas na gestação.

  12. Hemorragia ventricular.

  13. Permanência na incubadora por mais de 7 dias.

  14. Convulsões neonatais.

  15. Otite média recorrente ou persistente por mais de 3 meses.

  16. Suspeita dos familiares de atraso de desenvolvimento de fala, linguagem e audição.

  17. Traumatismo craniano com perda de consciência ou fratura craniana.

As crianças consideradas de risco para a deficiência auditiva devem ser submetidas a uma avaliação auditiva no início da vida, como também a um acompanhamento audiológico Segundo LICHTIG (1997), perdas auditivas neurossensoriais de grau moderado a severo podem ser confirmadas em 2,5% a 5% dos recém-nascidos de alto risco. As perdas auditivas adquiridas pré e pós- natal são responsáveis por 65% dos casos de surdez.

Além disso, sabemos que, as alterações decorrentes de perda auditiva neurossensorial na infância restringem a experienciação auditiva, causando alterações no desenvolvimento auditivo e lingüístico, já as alterações com componentes condutivos de caráter flutuante, comprometem a habilidade de processar os estímulos sonoros e as alterações decorrentes do comprometimento anatomofuncional do Sistema Nervoso Central interfere na habilidade de processar os estímulos acústicos e conseqüentemente no desenvolvimento da linguagem.

No Brasil, a deficiência auditiva tem sido detectada muito tardiamente, impedindo uma melhor qualidade de vida para a criança surda. É necessário uma maior conscientização por parte dos profissionais, que entram em contato primeiramente com o recém-nascido, para que eles possam auxiliar na detecção precoce da deficiência auditiva, fazendo a identificação dos bebês de alto risco. Além disso, o fonoaudiológo é o profissional capacitado e habilitado dentro dessa área, cabe a nós, também, lutarmos por mais esse espaço.


BIBLIOGRAFIA

  1. LICHTIG, Ida. Considerações sobre a deficiência auditiva infantil no Brasil. In: LICHTIG, Ida; CARVALHO, Renata Mota Mamede.Audição. Abordagens Atuais. São Paulo: Pró-Fono, 1997.363p. p.3-23.

  2. NORTHERN, Jerry L.; DOWNS, Marion P. Audição em Crianças.3 ed. São Paulo: Editora Manole Ltda, 1989. 421 p.

  3. RUSSO, Iêda C. Pacheco; SANTOS, Tersa M. Momensohn.Audiologia Infantil. São Paulo: Cortez Editora, 1994. 231 p.

       .:: © Copyright - Todos os Direitos Reservados aos Autores