Qua, 18 de Julho de 2018
Banner
NewsLetter

    confira-videos

      icon-twitter icon-facebook icon-Gmais 

Terapia Fonológica considerando as variáveis linguísticas

hits: 1465
por Alessandro Zagheni
Sáb, 15 de Agosto de 2009 18:37
PDF Imprimir E-mail

 

A idade de cinco anos é tida como marcador para o estabelecimento do sistema fonológico de crianças falantes do Português Brasileiro (PB) condizente com o alvo-adulto e, caso isso não ocorra, tem-se a indicação de Desvios Fonológicos (DF). A fala dessas crianças com DF é pesquisada, descrita e comparada com o sistema-alvo e com o desenvolvimento normal.

A aquisição normal do 'r' e seu status fonológico foi pesquisada(10) em 110 crianças falantes do PB com desenvolvimento fonológico normal e idades entre 2:0 a 3:9. Nesse estudo, a autora constatou que o 'r-fraco' é adquirido entre 3:8 e 3:9. Quanto à posição na palavra, a posição de coda final (CF) é a primeira a ser adquirida por ser uma posição mais saliente, sendo seguida de onset simples (OS), onset medial (OM) e, por último, de coda medial (CM). A aquisição do 'r-forte' é anterior à do 'r-fraco', sendo esta concluída entre 2:6 a 2:7.

O tratamento das alterações de fala baseia-se na fonologia, objetivando melhorar a fala da criança a fim de reorganizar o sistema fonológico alterado, adequando sua inteligibilidade de acordo com o sistema-alvo adulto.

Esse artigo teve como objetivo analisar a aquisição da líquida não-lateral /r/ em duas crianças com desvio fonológico, levando-se em consideração a hierarquia de palavras proposta em um estudo, bem como a generalização obtida. Para a seleção das palavras-alvo, consideraram-se as variáveis linguísticas facilitadoras para a aquisição do som-alvo /r/ em onset medial baseadas na tonicidade da sílaba e nos ambientes antecedentes e seguintes à líquida não-lateral. Observou-se uma melhor evolução terapêutica no sujeito 1, tratado com palavras pertencentes ao contexto mais favorável, comparando-se ao sujeito 2 submetido aos contextos menos favoráveis. A escolha de palavras-alvo para terapia, com base nas variáveis linguísticas facilitadoras, mostrou-se importante para aquisição do /r/ bem como para a ocorrência de generalizações.