Sáb, 21 de Julho de 2018
Banner
NewsLetter

    confira-videos

      icon-twitter icon-facebook icon-Gmais 

O teste auditivo nem sempre detecta perda auditiva

hits: 1736
por Kendra Chihaya
Ter, 20 de Março de 2012 02:21
PDF Imprimir E-mail

 Alguns tipos de perda auditiva podem ser difíceis de serem identificados através de um método tradicional. Um teste de audição, mais detalhado, pode no entanto, identificar alguns problemas, segundo um projeto de pesquisa tem mostrado.

 

ear examAlgumas pessoas têm tido dificuldade para  identificar seus problemas de audição através de um teste tradicional de perda auditiva. Uma pesquisa dinamarquesa tem usado um método que pode identificar, precisamente, qual o tipo de problema que o paciente tem.

Problemas auditivos que não podem ser identificados através de um método tradicional são chamados de “disfunção auditiva obscura” . Um teste tradicional de audição examina como ouvimos os sons, os quais vão de 250, 500, 1000, 2000 a  4000Hz (Hz é a unidade de vibração do som). Um teste tradicional auditivo não examina qual é a nossa experiência auditiva quando os sons não são ouvidos precisamente.

O pesquisador Christian Brandt da University of Denmark (Universidade da Dinamarca) tem  estudado 14 pacientes com problemas especiais de perda auditiva. Ele realizou esse exame com ajuda de um tom muito agudo, o qual é comparado com o tom do  som de  um piano.

“Com esse estudo feito constatei que eles os pessoas que foram pesquisadas tinham problemas de perda auditiva”, afirmou Christian Brandt, M.Sc and Ph.D para a Revista Hørelsen (Revista Audição), a qual é voltada para os membros da união dinamarquesa que têm problemas auditivos.

Dois tipos de células ciliadas

Algumas perdas auditivas são provocadas pelo desgaste  da cóclea, no ouvido interno. Na cóclea há muitas células ciliadas, as quais são responsáveis de capturar os sons e enviá-los para o cérebro. Christian Brandt afirma que há dois tipos de células ciliadas na cóclea: A célula externa que  amplifica os sinais e a célula interna que produz sinais elétricos, os quais são enviados para a mente.

Se as células externas ciliadas forem danificadas a vítima  pode ainda ouvir, mas o som irá ser fraco, por causa da falta de amplificação. No entanto, quando o dano ocorre na célula ciliada interna a pessoa não pode ouvir mais nada, uma vez que os sinais elétricos não serão mais enviados para o cérebro, afirma Christian Brandt.

Fonte: Hørelsen, January 2010.

 

Leia Mais:

Descoberto gene que causa um tipo de surdez

Triagem continua sendo a melhor prevenção para doenças auditivas

Teste de saliva pode diagnosticar possível perda auditiva em recém-nascidos

Perda de audição pode gerar indenização por acidente de trabalho

Problemas de audição prejudicam aprendizado