Qua, 18 de Julho de 2018
Banner
NewsLetter

    confira-videos

      icon-twitter icon-facebook icon-Gmais 

MP3 prejudica audição, afirma estudo

hits: 3696
por Kendra Chihaya
Sex, 07 de Setembro de 2012 00:51
PDF Imprimir E-mail


Pesquisa realizada pela Universidade de Tel Aviv afirma que daqui a 30 anos teremos uma geração inteira de adolescentes com perda auditiva precoce.

 

Mp3 prejudica audição afirma estudoSegundo pesquisa publicada pela Revista Internacional de Audiologia (International Journal of Audiology) e realizada pela Universidade de Tel Aviv com 289 adolescentes entre 13 e 17 anos, um entre cada quatro adolescentes está sob risco de perda auditiva precoce, devido ao uso inadequado de Mp3, iPods, Smarthphones e outros tipos de aparelhos sonoros.

 Daqui a 20, 30 anos será tarde demais para perceber que uma geração inteira de adolescentes sofre de perda auditiva precoce”, afirma a Professora  Chava Muchnik  da Faculdade de Medicina de Sackler  e Medical Center Sheba (Sackler Faculty of Medicine the Sheba Medical Center).

 

O estudo que foi realizado pela equipe de pesquisadores Universidade de Tel Aviv coordenado pelo Dra. Muchnik, avaliou 289 pacientes entre 13 e 17 anos. entre 2009 e 2011. Os resultados mostram uma significativa associação entre o uso inadequado de aparelhos sonoros e os sintomas de perda auditiva. Adolescentes que usam MP3 constantemente, em volume alto, podem experimentar  perda auditiva de um modo lento e progressivo. E eles só perceberão isso após muitos anos quando  atingirem a idade de 30 a 40 anos, o que é muito cedo se comparado com as gerações anteriores. Vale salientar que a essa altura o problema auditivo se agravou de tal forma que   é considerado irreversível, afirma a Professora Muchnik.

 

Sobre a pesquisa

 

Na primeira parte da pesquisa, os 289 participantes que contavam com a idade de 13 a 17 anos foram convocados a responder perguntas relacionadas a hábito pessoal do uso de aparelho de som. Foram lançadas também perguntas sobre volume e duração de tempo usados por eles. 


Já em um segundo momento do estudo, os pesquisadores utilizaram as respostas fornecidas na primeira parte da pesquisa e fizeram testes com 74  participantes utilizando o nível de volume e duração  de tempo ambientes silenciosos e ruidosos. 

A medida do nível de som foi  utilizado para calcular os riscos de danos auditivos que têm como base critérios estabelecidos por organizações industriais de setor da saúde e regulamentos de segurança.

 

Segundo a  Prof. Muchnik o resultado é preocupante, uma vez que 80% dos adolescentes  usam aparelhos de som regularmente, 21% ouvem de uma a quatro horas diariamente e 8% mais do que quatro horas consecutivas. O resultado da pesquisa mostra que um entre cada quatro participante entervistado está sob sério risco de perda auditiva.


Necessidade de critério

Regulamentos  voltados para saúde e segurança industrial  são  atualmente os únicos que têm parâmetros para calcular os prejuízos causados por exposição de volume alto. Contudo, segundo o professor Muchnik há uma grande necessidade de se colocar critérios relacionados ao nível de som permitido, uma vez  que o nível alto de som  pode causar risco à saúde auditiva.


Ela deseja que os fabricantes  venham a incorporar o padrão estabelecido pela Europa em seus produtos, os quais contam com o limite de 100 dB (decibéis) em seus aparelhos de MP3. No momento há aparelhos que têm o volume de até 129 dB (decibéis).

Fonte: www.sciencedaily.com


 

Leia Mais:

Um entre cada seis adolescentes tem tendência a perda auditiva precoce

Ambiente de trabalho é propício para perda auditiva

Hábitos de risco têm aumentado o número de jovens com problemas auditivos

Vocalista da banda Coldplay sofre de problemas auditivos há dez anos

Estudo aponta relação direta entre zumbido e estresse