Qua, 23 de Maio de 2018
Banner
NewsLetter

    confira-videos

      icon-twitter icon-facebook icon-Gmais 

Doença cardiovascular e perda auditiva

hits: 3643
por Kendra Chihaya
Qua, 10 de Outubro de 2012 22:33
PDF Imprimir E-mail

Pesquisas indicam que pessoas com problemas cardiovasculares são mais propensas a desenvolverem problemas auditivos do que aquelas que estão com a saúde do coração em dia

 

 

Cardiovascular

Que a doença cardiovascular pode ser mortal para o coração, não é nenhuma novidade. Porém, pesquisadores afirmam que a doença também pode ser prejudicial para a audição.

As pesquisas que foram publicadas no American Journal of Audiology em junho de 2010 e junho 2012 são particularmente preocupantes. Mostram que pessoas portadoras de doença cardiovascular são 54% mais propensas a desenvolverem doenças auditivas, do que as pessoas com a saúde do coração em dia. Entre as mulheres, as que tiveram um ataque cardíaco, têm 2,7 vezes mais chances de desenvolver perda auditiva.

Por outro lado, outra pesquisa também afirma que as pessoas que possuem um boa função cardiorrespiratória possuem uma melhor audição, sugerindo um possível efeito protetor do sistema auditivo nas pessoas que realizam atividades físicas.

fitnessSair do sofá e caminhar pelo menos 30 minutos, duas vezes por semana, em intensidade moderada, já é uma boa maneira de cuidar da sua saúde auditiva. Os profissionais de saúde confirmam que os indivíduos que se exercitam ao menos duas vezes por semana, possuem 32% a menos de chance desenvolverem perda auditiva.

Os pesquisadores também acreditam que um diagnóstico de perda auditiva, pode ser um bom indicador de doença cardíaca existente ou iminente.


Sobre as Pesquisas

Após revisar os estudos dos últimos 60 anos, os pesquisadores, do Programa de Saúde da População da Universidade de Wisconsin nos EUA, afirmam que qualquer alteração na saúde cardiovascular é prejudicial para o sistema auditivo periférico central. Para eles, as conexões nervosas entre membros e órgãos são feitas via o sistema nervoso central, no qual o sistema auditivo também está conectado. Qualquer alteração neste fluxo sanguíneo, alterará como o cérebro irá processar as informações e ruídos.

Já a pesquisa realizada pelas Universidades de Belarmino e Oregon em parceria com Hearing Speech and Deafness Center, com apoio dos Centros de Controle de Doenças dos EUA, que incluiu 1.082 participantes com idades entre 20 e 49 anos, concluiu que as pessoas com melhor aptidão cardiorrespiratória possuem uma melhor audição. A pesquisa também indicou que 6% das pessoas com baixa capacidade cardiorrespiratória são mais propensas a desenvolverem doenças auditivas, visto que, já possuem uma pior audição.

Para os investigadores, a ligação entre doença cardíaca, capacidade cardiorrespiratória e perda auditiva reside na capacidade do sistema cardiovascular em fornecer sangue de qualidade para o ouvido interno. Para os mesmos, o ouvido interno é tão dependente de um bom fluxo sanguíneo, com uma boa oxigenação, para interpretar e reconhecer sons, exercendo suas funções com qualidade, do que qualquer outro órgão do corpo.

 

Atividade Física e seus efeitos

Atividade FisicaDurante o exercício, o sistema cardiovascular tem que trabalhar para fornecer oxigênio e outros nutrientes para todas as partes do corpo. Esportistas que realizam atividades físicas frequentes possuem uma melhor performance em seu sistema cardiovascular, proporcionando um melhor fluxo sanguíneo pelo corpo.

Uma atividade moderada também pode ajudar na manutenção da saúde, mantendo um peso saudável. Além disso, o exercício físico também é conhecido em diminuir os incidentes de depressão, ansiedade e isolamento social (fatores psicológicos associados com a perda auditiva não tratada).

Fonte: Healthy Hearing / American Journal of Audiology

 

Leia Mais: 

Glicemia alta, diabetes, problemas cardiovasculares entre outros favorecem o zumbido no ouvido

A perda auditiva generalizada entre os idosos

Diabetes não controlada aumenta perda auditiva em mulheres

Fumo passivo causa perda auditiva em adolescentes, diz estudo