Seg, 23 de Julho de 2018
Banner
NewsLetter

    confira-videos

      icon-twitter icon-facebook icon-Gmais 

Bebés conseguem ouvir no útero

hits: 6106
por Kendra Chihaya
Qui, 03 de Fevereiro de 2011 19:37
PDF Imprimir E-mail

Cientistas afirmam que os bebês já são capazes de decifrar a fala de dois a três meses antes de nascer, desenvolvendo a linguagem nativa ainda no útero


psicologia do bebe

Já se sabe que os fetos conseguem responder a estímulos auditivos entre as 25 e as 29 semanas de gestação. Isto significa que ao nascer, o bebé já tem 2 a 3 meses de experiência auditiva. Esta experiência, segundo diversos estudos, pode influenciar a percepção da fala. Mas, de acordo com o artigo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), um estudo liderado por médicos da Academia Nacional de Medicina da França afirma que os bebês já aprendem sua língua nativa, ainda na barriga de suas mães.



O estudo Francês afirma que a partir de 28 semana de gestação, os bebês já são capazes de distinguir sílabas como "ga" e "ba". Segundo o estudo, um bebê com 23 semanas de gestação já possui percepção cerebral suficiente para ouvir a fala de quem está fora do ventre. O estudo, que investigou a percepção de 12 bebês pré-maturos verificou a compreensão destas crianças às sílabas básicas. A investigação reforça a ideia de que os bebés desenvolvem capacidades de linguagem como resposta às vozes dos pais, ainda no útero.


comportamento2Outra pesquisa realizada pela Universidade Luterana do Pacífico reitera que os bebês já estão desenvolvendo a linguagem nativa ainda no útero. Os pesquisadores testaram 80 recém-nascidos, sendo 40 americanos e 40 suecos para saber se eles poderiam distinguir o inglês do sueco. Para avaliar o nível de compreensão dos bebês, os cientistas deram chupetas às crianças para avaliar a quantidade de sugadas na chupeta que cada um faria. Os dois grupos de bebês ouviram a língua sueca e inglesa. O interessante foi que os bebês americanos sugavam mais vezes ao ouvir sons de vogais suecas. E bebês suecos sugaram mais ao ouvir vogais do inglês, sugerindo que as crianças não as tivessem ouvido antes. Descartando a hipótese de que os bebês recém-nascidos tivessem aprendido tão rapidamente distinguir os sons nativos e não nativos, a compreensão foi atribuída somente à aprendizagem pré-natal.


Em estudos anteriores, se verificou que a fala humana, chegará ao ouvido do feto com potências demasiado baixas para serem ouvidas, no entanto, a entoação e o ritmo estão disponíveis e ficam na memória de longo prazo. Tem sido relatado que recém-nascido podem previamente discriminar sua língua nativa de outras línguas e voz de sua mãe de outras vozes e rimas infantis familiares, até mesmo de vozes de novelas, o que apoia a suposição de que os recém-nascidos codificam as partes suprassegmentais da fala.


Porém, eles parecem preferir a entonação que inclui informação emocional. Assim, uma correta estimulação durante a gravidez, pode ser benéfica para a criança, principalmente para criar laços entre pai e feto, já que o pai, até então estava distante da gestação da criança.


 

Para obter mais informações, referências e recomendações: Houston, D. (2011) "Percepção da Fala Menino" em "Manual Integrado de Audiologia Pediátrica." Editores; Seewald e Tharpe. Plural Publishing, de San Diego, CA.

Fonte: Fetal hearing

 

image

image